Projeto Avenida Perimetral da Ciência leva cor e beleza aos bairros Guamá, Terra Firme e Marco

A cena é comum: apesar da coleta pública de resíduos, sacos com lixo doméstico são facilmente despejados em espaço público e rasgados por animais de rua — o lixo se espalha, o que estimula outras pessoas a fazerem descartes inapropriados em áreas que acabam se tornando pequenos “lixões”, onde deveriam existir calçadas e canteiros. Mas quem vem para a UFPA pela avenida Perimetral, seja de ônibus, carro, moto, bicicleta, seja a pé, já deve ter reparado que algo vem mudando na paisagem.

Pequenos jardins estão surgindo em canteiros que antes eram lugares de acúmulo de lixo. O Projeto Interinstitucional “Avenida Perimetral da Ciência: caminhos para a sustentabilidade”, coordenado pela professora Maria Ludetana Araújo, do Grupo de Pesquisa em Educação Ambiental na Amazônia (Geamaz), pertencente ao Instituto de Ciências da Educação (ICED/UFPA), é um dos responsáveis por essas mudanças.

Os caminhos do projeto começam no início da avenida Perimetral com a rua Augusto Correa, atravessando os bairros Guamá, Terra Firme e Marco, todos em situação de vulnerabilidade socioeconômica, apesar da presença das instituições científicas parceiras, como UFPA (GEAM/NAEA e Gemas/ICSA), Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Universidade do Estado do Pará (UEPA), Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), entre outras, ao longo de toda essa extensão.

Agora, onde havia apenas lixo, vemos mudas de plantas, arranjos verdes feitos com pneus e outros materiais recicláveis, montados por alunos de Agronomia e Engenharia Florestal da UFRA. Tudo isso é resultado de um intenso trabalho de conscientização e Educação Ambiental, que inclui também visitas aos moradores da área feitas pelas equipes da UFPA para orientações sobre meio ambiente, educação e ciências socioambientais.

Segundo explica a professora Ludetana Araújo, “os Caminhos Ecológicos se apresentam como uma possibilidade de tornar o conhecimento ambiental pertinente, contextualizado e real. O contato com a natureza física é o elemento motivador para dar encanto e interesse pela atividade desenvolvida. Sua preocupação básica centra-se na melhor maneira de conduzir as atividades de Educação Ambiental, de forma a alcançar finalidades educativas, por meio de experiências práticas com as instituições e comunidades parceiras”.

O projeto visa não somente disseminar informações/conhecimentos, mas também propiciar a realização de atividades que revelem os significados e as características do ambiente por meio do uso dos elementos originais, por experiência direta (Oficinas de Empoderamento da Comunidade) e por meios ilustrativos, como atividades de Educação Ambiental ao ar livre, fundamentando-se em temas socioambientais com metodologias que esclareçam os conceitos, os significados técnicos e científicos, especialmente amazônicos, para se cuidar do ambiente.

Objetivos - O projeto prevê, ainda, realizar atividades específicas sobre solo, fauna, flora regional existente no entorno da avenida Perimetral; incentivar a criação junto com a comunidade de hortas, produção de mudas, arborização, calçadas e quintais ecológicos; realizar palestras e campanhas educativas sobre reaproveitamento de resíduos sólidos, coleta seletiva, saneamento básico, reciclagem e ética ambiental envolvendo a comunidade; criar um “ecoponto” de coleta seletiva como estratégia da gestão integrada de resíduos sólidos; tornar todo o percurso do “Avenida Perimetral da Ciência” mais agradável e mais arborizado, estimulando o significado de pertencimento local, entre outros.

Todas essas ações serão colocadas em prática até outubro de 2021 por meio de formações em gestão ambiental, oficinas de tecnologias sustentáveis de aproveitamento de resíduos, oficinas de percepção ambiental (fotografia), elaboração de jogos educativos lúdico-pedagógicos, manifestações culturais que envolvam teatro, música e literatura, além de ações de ecoturismo por meio da realização de trilhas interpretativas urbanas ao longo da avenida.

Texto: Jéssica Souza – Assessoria de Comunicação da UFPA
Fotos: Alexandre de Moraes

Please reload

Destaques

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Rua dos Mundurucus, 1482 - Batista Campos, CEP: 66033-716, Belém, Pará. 

Telefones: Financeiro: (91) 3323 5043 / Coordenação de Projeto: (91) 3323 5033 e 3323 5084 / Orçamentos e Logística: (91) 3323 5020​

© Orgulhosamente criado para a Abradesa desde 2015.